Redes Sociais

Nosso Whatsapp

 

Encontre o que deseja

NO AR

Rádio Cidade Camaquã

    Economia

Preço médio da gasolina supera R$ 6 há seis semanas, aponta ANP

Valor bate essa marca em 19 das 27 unidades da Federação

Publicada em 17/10/2021 as 13:44h por R7
Compartilhe
   
Link da Notícia:
 (Foto: Divulgação/Rádio Guaíba)

O preço do litro da gasolina comum no Brasil está acima de R$ 6 há seis semanas, aponta a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Na média, o litro do combustível no país é vendido a R$ 6,117. Em 19 das 27 unidades da Federação, o produto era comercializado por mais de R$ 6 na semana entre 3 e 9 de outubro, período do levantamento mais recente do órgão.

 

A gasolina mais cara do Brasil está no Rio de Janeiro, onde o litro é vendido por preço médio de R$ 6,764. Em segundo lugar aparece o Piauí, com o combustível custando R$ 6,733 o litro, em média. O Rio Grande do Norte vem a seguir (R$ 6,675 o litro).

 

O Amapá é o estado com menor preço médio do combustível no país, com o litro vendido a R$ 5,350. Em Roraima, esse valor é de R$ 5,743. São Paulo registra o terceiro menor preço (R$ 5,808). As outras cinco unidades da Federação com valor abaixo de R$ 6 são Santa Catarina (R$ 5,814), Paraná (R$ 5,941), Ceará (R$ 5,957), Paraíba (R$ 5963) e Pernambuco (R$ 5,996).

 

Em todas as regiões do Brasil o preço da gasolina comum supera os R$ 6. O Centro-Oeste anota o maior valor médio, com R$ 6,282 o litro. Em segundo lugar vem o Nordeste, com R$ 6,118, seguido pelo Sudeste (R$6,109) e pelo Norte (R$ 6,080). O melhor preço é registrado no Sul, onde a gasolina custa em média R$ 6,071 o litro.

 

Inflação

Medidas para barrar a alta dos combustíveis, que vêm puxando a escalada da inflação no país, passaram a ocupar o topo de prioridades do governo federal. O presidente Jair Bolsonaro entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para obrigar o Congresso Nacional a editar, em 120 dias, uma lei com o objetivo de uniformizar as alíquotas praticadas pelos Estados no ICMS dos produtos, parte dos fatores pelos quais o governo justifica o aumento nos preços.

 

A Câmara dos Deputados aprovou na última quarta-feira o texto-base do Projeto de Lei Complementar 11/20, que altera o modelo de incidência do ICMS sobre o preço dos combustíveis. A proposta vai agora ser analisada pelo Senado Federal.

 

No dia 8 de outubro, a Petrobras anunciou um reajuste de 7,19% no preço médio de venda da gasolina, com o litro passando de R$ 2,78 para R$ 2,98. O valor representa uma alta de R$ 0,20 por litro nos postos.

 

Risco de faltar gasolina

O Sindicombustíveis-DF disse nessa sexta-feira que existe risco de faltar gasolina no Distrito Federal e em outras unidades da Federação. Segundo o presidente do sindicato, Paulo Tavares, apesar do aumento da última segunda-feira, ainda há defasagem nos preços praticados pela Petrobras. Ao R7, o dirigente declarou que existe em torno de 30% de chance de desabastecimento.

 

“A defasagem é grande porque o governo está segurando os preços apesar de não declarar. O governo mantém os preços atrelados ao dólar e ao [valor do] barril do petróleo. As importadoras em Goiânia e Brasília estão sem produtos. Elas passaram a fazer pedidos para as refinarias da Petrobras e todos acabaram tendo cotas de litros cortadas,” afirmou Tavares.




Nosso Whatsapp

 

Visitas: 2268574 | Usuários Online: 31

Copyright © 2019 - Grupo Art Mídia Comunicação - Todos os direitos reservados