Redes Sociais

Nosso Whatsapp

 

Encontre o que deseja

NO AR

Madrugada da Cidade

    Mundo

Aliança com Putin: China se opõe às sanções unilaterais contra a Rússia

Os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da Chiina, Xi Jinping, conversam durante reunião bilateral em Pequim, na China, em 4 de fevereiro de 2022.

Publicada em 25/02/2022 as 09:02h por Jornal O Sul
Compartilhe
   
Link da Notícia:
 (Foto: Divulgação)

A China se posiciona contra todas as sanções “unilaterais e ilegais” à Rússia, disse o Ministério de Relações Exteriores do país nesta sexta-feira (25).

O porta-voz do governo chinês reconhece a soberania da Ucrânia. No entanto, os chineses não classificaram o ataque russo à Ucrânia como uma invasão.

O governo chinês acredita que as sanções impostas à Rússia não são uma forma efetiva de resolver a disputa. E reforça que essas medidas podem criar problemas ainda maiores para os países.

O Ministério das Relações Exteriores chinês rebateu críticas de Austrália e EUA por não condenar o ataque e afirma que o país vai manter comércio e cooperação normais com a Rússia, “baseados no mútuo respeito e benefício”.

Taiwan apoia sanções do “mundo democrático”

A crise ucraniana é observada de perto pelo governo de Taiwan, que promete se juntar aos “países democráticos” nas sanções à Rússia. “Condenamos duramente tal ato de invasão e nos uniremos aos países democráticos para impor sanções conjuntamente”, disse o primeiro-ministro de Taiwan, Su Tseng-chang a repórteres em Taipei.

Território que a China reivindica como parte de seu próprio, o governo de Taiwan alertou que nove aeronaves chinesas entraram em seu espaço aéreo na última quinta-feira (24). A ação chinesa não é incomum e tem se intensificado nos últimos dois anos.

O Ministério das Relações Exteriores disse em um comunicado que a ilha, que é fundamental para a cadeia global de fornecimento de semicondutores, “coordenará com os Estados Unidos e outros países as medidas apropriadas para libertar a Ucrânia dos horrores da guerra”.

A ilha autônoma de Taiwan pode ser uma região chave para as sanções econômicas à Rússia, já que abriga a maior fabricante de chips terceirizada do mundo, a TSMC.




Nosso Whatsapp

 

Visitas: 2380974 | Usuários Online: 53

Copyright © 2019 - Grupo Art Mídia Comunicação - Todos os direitos reservados