Redes Sociais

Encontre o que deseja

    Rio Grande do Sul

Entenda como funciona o sistema de contenção de águas do Guaíba

Capital gaúcha tem 68 quilômetros de diques, muro de contenção, comportas e bombas para proteger cidade

Publicada em 09/05/2024 as 08:06h por Redação O Sul
Compartilhe
   
Link da Notícia:
 (Foto: Luciano Lanes/PMPA)

Apesar de ter sido criado para suportar até seis metros de elevação, o sistema de contenção de águas do Guaíba em Porto Alegre não aguentou o nível acima dos cinco metros na capital gaúcha. O motivo, de acordo com o professor do Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) da UFRGS, Gean Paulo Michel, é falta de manutenção e negligência da prefeitura ao longo de décadas. O sistema começou a operar a partir dos anos 1960.

 

A prefeitura de Porto Alegre e o Departamento Municipal de Água e Esgotos afirmaram que foram investidos R$ 592 milhões em obras relacionadas a prevenção de cheias ou que amenizam situações de alagamentos na cidade. Mas na listagem de investimentos enviada pela prefeitura, não há valores voltados especificamente para a manutenção do sistema de contenção de águas.

 

O sistema opera com diques, construídos com aterramento da orla, o Muro da Mauá, 14 comportas e 19 casas de bomba. O sistema também tem a função de deter os rios Jacuí e Gravataí. Há prédios e outras edificações em ilhas que não são protegidas por este sistema.

 

 

 

 

Diques

 

Os diques formam uma linha de 68km que vai do Norte da cidade, passa pela região Oeste, onde é banhado pelo Guaíba, e segue à Zona Sul. Há uma linha de 24km ao longo da Freeway até a Avenida Castelo Branco e segue pela Avenida Rio Branco. E outra de 44km, de diques internos, que servem para conter os arroios (canais naturais) que cortam Porto Alegre.

 

 

 

 

 

Muro

 

Na região central de Porto Alegre, a contenção é feita por um muro, o Muro da Mauá, com 2.646 metros de comprimento e seis de altura. Finalizado em 1974, ele fica ao longo do Canal dos Navegantes, que faz parte do Delta do Jacuí, que, além de pântanos e de um arquipélago com 16 ilhas, recebe o fluxo dos rios Caí, Sinos e Gravataí.

 

 

 

 

 

Comportas

 

As comportas são estruturas metálicas de até cinco metros de altura, e podem ser usadas inclusive para travessias de pedestres e veículos. Mas são usadas primordialmente para barrar a passagem da água quando ela chega no nível da base que não fica submersa do Muro da Mauá, na altura de três metros.

 

As comportas são dispostas sobre trilhos e empurradas por pessoas com auxílio eventual de veículos pesados, como caminhões e tratores. A vedação se dá pelo próprio contato e por sacos de areia colocados juntos às comportas. Essas águas são enviadas de volta para o Guaíba pelas casas de bombas.

 

 

 

 

 

Casas de bombas

 

As 23 casas de bombas jogam água das chuvas para os rios Guaíba e Gravataí. Com as águas do Guaíba entrando na capital gaúcha, algumas, como no Centro da cidade, estão sobrecarregadas. As bombas também podem ser acionadas quando a água da cidade fica presa em determinados locais, pelo bloqueio gerado pelo sistema de proteção.

 

 

 

 

 

Administração

 

O sistema é administrado pela prefeitura de Porto Alegre, por meio do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae).

 

A falta de manutenção por décadas levou ao colapso do sistema, segundo o professor do IPH Gean Paulo Michel. O professor da UFRGS acrescentou que não havia um plano de contingência de retirada de moradores em caso de inundação

 

“Temos que ter um plano B. Um sistema com abrigos, que tipos de abrigos… O abrigo aceitaria animais? As rodovias de acesso aos abrigos podem ficar alagadas? Essas coisas precisam estar definidas com antecedência”, pontuou o professor.




Nosso Whatsapp

 

Visitas: 3296070 | Usuários Online: 2

Copyright © 2019 - Grupo Art Mídia Comunicação - Todos os direitos reservados