Redes Sociais

Nosso Whatsapp

 

Encontre o que deseja

NO AR

Madrugada da Cidade

    Saúde

Vacina contra o coronavírus evitou até 600 mortes por dia entre fevereiro e outubro de 2021, diz estudo

As conclusões estão em levantamento apresentado nesta quarta-feira (08), em estudo sobre o impacto socioeconômico das vacinas durante a pandemia

Publicada em 08/06/2022 as 18:31h por Jornal O Sul
Compartilhe
   
Link da Notícia:
 (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Somente nos primeiros quatro meses da vacinação contra a Covid-19 no Brasil, entre fevereiro e junho de 2021, foram evitadas 500 mortes por dia. O número aumentou para 600 ao longo dos quatro meses seguintes, mesmo com a imunização escalonada por idade.

 

As conclusões estão em levantamento apresentado nesta quarta-feira (08), em estudo sobre o impacto socioeconômico das vacinas durante a pandemia de Covid-19, apresentado pelo economista Gesner Oliveira, da FGV (Fundação Getúlio Vargas).

 

O trabalho foi feito por encomenda da Pfizer Brasil e revela que a vacinação foi o melhor investimento durante a pandemia. “A vacina concilia objetivos sanitários e econômicos de curto prazo, mas também de longo prazo, como os impactos vistos no sistema de saúde e no sistema educacional”, afirmou o economista.

 

A pediatra Isabella Balallai, da Sbim (Sociedade Brasileira de Imunizações), que também participou do evento da Pfizer no Rio, lembrou que embora a cobertura vacinal contra a Covid-19 esteja em 80% – um percentual considerado alto –, ela está abaixo do esperado no caso da prevenção do sarampo e da pólio, por exemplo. “Outras vacinas devem também ser nossa prioridade ou teremos um retrocesso inimaginável”, disse a médica.

 

Impacto no PIB

 

Segundo o estudo, além de evitar as mortes, os R$ 22 bilhões investidos pelo País em vacinas contra a Covid-19 em 2021 geraram um impacto positivo de R$ 200 bilhões no PIB (Produto Interno Bruto). Ou seja, para cada real investido em vacina gerou-se um impacto positivo de R$ 9.

 

“A vacina é uma das melhores ferramentas de política econômica”, afirma Gesner Oliveira. “Das várias medidas para combater a pandemia, a maioria delas afetava diretamente a economia, como os lockdowns. Eram objetivos que nem sempre conseguíamos conciliar no curto prazo: economia e saúde. O lockdown reduzia a disseminação do vírus, mas provocava uma piora no desemprego. Mas se não houvesse lockdown, a pandemia se agravaria ainda mais. Esse não é o caso da vacina. A vacina combate a pandemia, estimulando a economia, ao restabelecer a circulação das pessoas.”

 

Segundo Oliveira, a cobertura vacinal é fundamental para o bom funcionamento da economia. “Eu lido muito com saneamento básico, que tem um elevadíssimo retorno social. Mas pelos cálculos da ONU, cada real investido em saneamento gera uma economia de R$ 4 a R$ 5 no PIB. No caso das vacinas, estamos falando de um impacto nove vezes maior.”

 

Para o economista, um instrumento que reduza em 500 ou 600 o número de mortes por dia e ainda estimula a economia deve estar “no topo da prioridade das políticas públicas”.




Nosso Whatsapp

 

Visitas: 2381106 | Usuários Online: 50

Copyright © 2019 - Grupo Art Mídia Comunicação - Todos os direitos reservados